Ovi -
we cover every issue
newsletterNewsletter
subscribeSubscribe
contactContact
searchSearch
Apopseis magazine  
Ovi Bookshop - Free Ebook
Join Ovi in Facebook
Ovi Language
Ovi on Facebook
Stop violence against women
Murray Hunter: Opportunity, Strategy and Entrepreneurship
International Red Cross and Red Crescent Movement
 
BBC News :   - 
iBite :   - 
GermanGreekEnglishSpanishFinnishFrenchItalianPortugueseSwedish
Aki Kaurismaki Celebra Hoje Meio Seculo Aki Kaurismaki Celebra Hoje Meio Seculo
by Alexandra Pereira
2007-04-05 09:53:12
Print - Comment - Send to a Friend - More from this Author
DeliciousRedditFacebookDigg! StumbleUpon
O carismático realizador e argumentista finlandês celebra hoje, dia 4 de Abril de 2007, 50 anos de vida. Entre documentários sobre a música da Bahia e a compra de quintas que se dedicam à produção de vinhos do Porto, o que sobra afinal da relação dos manos Kaurismäki com o mundo lusófono?

Aki conheceu o sabor do cinema bem cedo: o realizador de Drifting Clouds (1996), The Man Without a Past (2002) e Lights in the Dusk (2006), Hamlet Goes Business (1987), Leningrad Cowboys Go America (1989) – que lhe granjeou reconhecimento mundial –, ou The Match Factory Girl (1990) começou a carreira coadjuvando a direcção dos filmes do seu irmão mais velho Mika, que vive actualmente no Brasil e tem já uma longa história de relação artística e afectiva com aquele país, tendo realizado diversos filmes de temática “canarinha”, especialmente centrados na música, como Sambólico (1996), Rytmi, Brasileirinho (2005), Bem-vindo a São Paulo (2004), Moro no Brasil (2002) ou Tigrero: Um Filme Que Nunca Foi Feito (1994), mas também películas como Condition Red (1986), Paper Star (1989) ou Helsinki-Napoli All Night Long (1987), a alucinante história dum taxista finlandês em Berlim que se vê envolvido numa luta entre gangsters e acaba transportando dois cadáveres no seu automóvel durante toda a noite.

Aki Kaurismäki adquiriu protagonismo com a polémica das nomeações para os Óscares, quando The Man Without a Past foi nomeado para Melhor Filme Estrangeiro em 2003 pela Academia e o realizador se recusou a comparecer na gala, afirmando que não lhe apetecia propriamente festejar num país oficialmente em guerra. Lights in the Dusk voltou a ser nomeado pela Finlândia para a categoria de Melhor Filme Estrangeiro e o realizador novamente boicotou a gala, num protesto contra o presidente George W. Bush (que define como «um palhaço ladeado pelo escuteiro Blair») e a sua política externa («Porque penso que com estes maníacos não temos muita esperança.»). Mas o mito Kaurismäki estende-se desde o ambiente enfumarado e as vodkas do Moskva, as tostas especiais e os bilhares do Corona, onde a boémia intelectual e artística de Helsínquia inevitavelmente se reúne, até ao nordeste da chapada diamantina, os ritmos do chorinho, o aveludado-canela dum bom vinho nas papilas, os socalcos e segredos das vinhas do Douro.

O realizador para quem «se as pessoas querem ver a violência parecer bonita, há algo de errado nas suas cabeças» repudia com veemência a “indústria” de Hollywood mas gosta de westerns e da América de Roosevelt. Influenciou e foi influenciado por Jim Jarmusch, mas também por realizadores como Robert Bresson e Jean-Pierre Melville. Prefere um cenário dos anos 80 e centrado nas classes trabalhadoras (ou em bairros da classe operária, como Kallio) para retratar a cidade de Helsínquia, um lugar donde a maior parte das suas personagens quer fugir, e que é filmado numa versão desencantada, neo-realista e crítica. Mas os filmes de Aki Kaurismäki, com a sua despojada direcção de actores, não devem ser subestimados no sentido de humor único que encerram.

   
Print - Comment - Send to a Friend - More from this Author

Comments(0)
Get it off your chest
Name:
Comment:
 (comments policy)

© Copyright CHAMELEON PROJECT Tmi 2005-2008  -  Sitemap  -  Add to favourites  -  Link to Ovi
Privacy Policy  -  Contact  -  RSS Feeds  -  Search  -  Submissions  -  Subscribe  -  About Ovi