Ovi -
we cover every issue
newsletterNewsletter
subscribeSubscribe
contactContact
searchSearch
Apopseis magazine  
Ovi Bookshop - Free Ebook
Join Ovi in Facebook
Ovi Language
Murray Hunter: Essential Oils: Art, Agriculture, Science, Industry and Entrepreneurship
The Breast Cancer Site
Murray Hunter: Opportunity, Strategy and Entrepreneurship
International Red Cross and Red Crescent Movement
 
BBC News :   - 
iBite :   - 
GermanGreekEnglishSpanishFinnishFrenchItalianPortugueseSwedish
Cherchez la femme: Crimes contra o cabelo Cherchez la femme: Crimes contra o cabelo
by Juliana Elo
Issue 4
Print - Comment - Send to a Friend - More from this Author
DeliciousRedditFacebookDigg! StumbleUpon
Cansada da minha cara no espelho, um dia eu decido cortar meu cabelo curto. Eu vou pro salão de cabeleireiros e pergunto se tem alguém livre para cortar o meu cabelo, mas eles não têm então eu vou pra casa. No dia seguinte, voltando da escola, eu passo na frente do salão. Eu entro e pergunto se eles poderiam cortar meu cabelo, mas os cabeleireiros estão ocupados. A recepcionista me reconhece e pergunta se eu não preferiria marcar hora. Não. Estragaria a sensação de um corte de cabelo espontâneo, isso tem que ser decidido na hora. Então eu vou pra casa e espero durante todo o fim de semana.

Segunda de manhã eu decido de novo. Segundas de manhã são perfeitas para cortes de cabelo espontâneos, porque os salões estão consideravelmente mais vazios. Uma cabeleireira está livre. A cabeleireira pergunta como eu quero meu cabelo, e eu digo curto. Curto e em pé. Quero tudo em pé. Ela olha para o meu longo cabelo liso e sorri. Ela não parece acreditar em mim.

Eu sento na cadeira, ela me põe o avental e eu sorrio pra ela. Ela sorri confusa e faz a mesma pergunta. Eu explico de novo o que eu quero, e pra ser mais clara, mudo a ordem das palavras: em pé e curto. Ela pergunta se eu tenho certeza. Eu tenho certeza. Uma atendente deixa o balcão e vem assistir. A cabeleireira ensaia um movimento com a tesoura e pergunta se eu tenho certeza. Eu tenho certeza. Ela deixa a tesoura e pega uma navalha. Ela segura o meu cabelo em uma mão e com a outra segura a navalha, mas os olhos estão fixos no espelho. Eu sorrio: Vai fundo! Ela respira fundo e corta fora o rabo de cavalo. Então eu penso: Oh, meu Deus! O que foi que eu fiz?

Eu começo a repetir mentalmente: cabelo cresce. Principalmente o meu que cresce tão rápido! Ainda por cima meu cabelo estava tão irritantemente sem-graça, eu não tenho nada a perder. Eu fico melhor de cabelo curto, não fico? Mamãe sempre disse que sim. Mas ela também costumava dizer que eu ficava ótima naquele biquíni amarelo com babados. Oh... cabelo cresce, cabelo cresce... Eu vejo meu cabelo caindo no chão, um monte de cabelo. Outra cabeleireira pára o que está fazendo para olhar. O que está acontecendo? Eu não consigo ver! Eu sinto um ventinho na nuca. Não tem mais saída. Mas e se eu usasse as mexas longas dos lados para fazer um rabo e cobrir o buraco atrás? Não seja ridícula, nenhum corte de cabelo poderia ficar mais feio do que isso.

A cabeleireira corta as mexas dos lados. Ok, eu vou ter que continuar por aqui. Ela corta a franja. Eu peço para ela não cortar muito curto. Ela sabe, eu já disse isso. Eu digo à ela que meu cabelo deveria ser mais curto dos lados, reto na nuca... não muito desfiado porque meu cabelo tem volume demais. A cabeleireira sorri, ela sabe o que está fazendo. Ela é a cabeleireira, não eu! Ela segura meu cabelo pela raiz no topo da cabeça e pergunta qual é o comprimento para cortar em cima. Como é que eu vou saber? Ela é a cabeleireira, não eu! Eu percebo que agora há duas atendentes paradas ali do lado.

Quarenta minutos depois, ela dá os toques finais. Ela olha para mim e eu forço um sorriso. Os músculos da minha bochecha estão cansados de tanto sorrir para as assustadas atendentes. Meu cabelo não parece estar do jeito que eu queria, mas a culpa é minha de não saber explicar direito em finlandês. Eu não quero fazer a moça se sentir culpada. As colegas dela estão olhando. Ela já teve estresse demais por um dia. Ela seca meu cabelo, que começa a parecer mais com o que eu queria. Ela gasta dezoito minutos dividindo de lado, arrumando a franja. Ela pergunta se eu gosto com uma voz tímida. Eu bagunço o cabelo e sorrio: Amei! Eu estou feliz da vida, mas ela não sorri de volta.

Eu me levanto pronta para encarar o mundo. As outras cabeleireiras e clientes estão todas olhando para mim. Eu deixo meu cabelo lá e vou pagar a conta. As atendentes não sorriem mais. Todas têm cara de velório. Só eu estou contente. Eu volto para casa e da próxima vez que eu vou à escola, só por precaução, eu levo uma bandana.

Print - Comment - Send to a Friend - More from this Author

Comments(2)
Get it off your chest
Name:
Comment:
 (comments policy)

alvaro lopes2007-06-28 15:56:57
parabens pela coragem, adoro mulheres corajosas e de cabelo curto,masminha esposa recusa-se acorta-lo


LEMOR GOODFART2008-10-21 19:15:06
EU TAMBEM CORTEI O MEU BEM CURTINHO... MEU MARIDO NAO DEIXA O MEU CABELO CRESCER... QUANDO CRESCE 1 CENTIMETRO, ELE MANDA CORTAR LOGO...


© Copyright CHAMELEON PROJECT Tmi 2005-2008  -  Sitemap  -  Add to favourites  -  Link to Ovi
Privacy Policy  -  Contact  -  RSS Feeds  -  Search  -  Submissions  -  Subscribe  -  About Ovi